domingo, 20 de novembro de 2016

Pica-pau - Get Lost (1956)

Get Lost

Lançado nos teatros em 12 de março de 1956, Get Lost (Os Perdidinhos) é um curta-metragem do Pica-pau do diretor Paul J. Smith e ficou marcado pela primeira aparição de Toquinho e Lasquita (Splinter e Knothead), sobrinhos do Pica-pau.

Resultado de imagem para Get Lost 1956

Como todo episódio de um desenho clássico, piadas e comédia não poderiam faltar. E este episódio é engraçado.



Pica-pau está contando a história de João e Maria para seus sobrinhos, mas eles decidem sair pela floresta e imitar os personagens da história, mas acabam entrando numa fria. A dupla vira isca de um gato faminto, que faz de tudo para jantar as crianças. E já é de se esperar, muitas piadas, gags pra nos divertimos.



Aqui, o Pica-pau é mero figurante, e o destaque se dá aos pequenos pica-paus. Aliás, na era clássica do desenho, esse foi o episódio em que eles mais se destacaram. Somente no Novo Pica-pau (1999) eles tiveram um destaque maior em vários episódios.




As gags visuais aqui são o destaque. Como quando o gato faz uma casa de gengibre, e quando ele envia os feijões saltadores para eles engolirem, e eles andam saltando. Há a piada do biscoito dinamite, que é excelente.


sábado, 19 de novembro de 2016

Abou Ben Boogie (1944) - Walter Lantz Cartoons


Abou Ben Boogie

Abou Ben Boogie é um "Swing Symphony" lançado em 1944. Ele se difere dos outros do gênero, mas claro, ainda é musical. Mas desta vez se passa nas noites da Arábias. É um dos curtas mais marcantes, bonitos e requintados que o estúdio já produziu. O curta é polêmico e adulto, com várias piadas sexuais. Um dos mais ousados que já vi.


O grande destaque deste curta são os fundos simples e elegantes de Philip De Guard. Aliás, em 1944 o Philip De Guard se destacou como artista de fundo, e mais tarde em 1946 foi para a Warner Bros onde fez trabalhos memoráveis como "The Big Snooze" do Pernalonga em 1946, e vários outros também na década de 1950. De Guard também fez trabalhos memoráveis no estúdio do Walter Lantz, como no curta "O Tocador de Trombone".




O agudo sentido do diretor Shamus Culhane de design, corte, tempo e caracterização no estúdio Lantz deu a sua produção um grande passo em termos de qualidade, muito à frente do que Alex Lovy e o próprio Walter alcançaram quando eles dirigiram anteriormente. As Sinfonias Balançadas - um pastiche mais contemporâneo da Disney Silly Symphonies - era a chance de Culhane para dar o seu tudo, apresentando um estilo enérgico rápido para o produto Lantz.


Embora considerasse a música para ser "lixo", Culhane estava preparado para receber um estudo sobre o jazz do compositor musical de Lantz, o esquecido Darrell Calker. Como Betty Boop e tela de músicas de Fleischer, as Sinfonias Balançadas muitas vezes apresentava artistas de jazz populares, como o trombonista Jack Teagarden (The Pied Piper of Basin Street ) e pianista Bob Zurke ( Jungle Jive ) quem Calker conhecia pessoalmente.
Animadores Grim Natwick, Les Kline, Verne Harding, Paul Smith, Don Williams, Emery Hawkins e Pat Matthews, entre outros que não participaram nestes desenhos animados, faziam parte apenas da unidade de artistas. Outros estúdios da Costa Oeste teve várias unidades, uma vez que tinha mais do que um ou dois diretores. Dick Lundy se tornou um diretor mais tarde, começando com a última Symphony Swing, Sliphorn King of Polaroo(também com Jack Teagarden). Todos os animadores Lantz mencionou recebeu crédito por seu trabalho, ainda que em um sistema de crédito rotativo, de modo que não existem quaisquer animadores "desconhecidos" nestes desenhos animados.

De Culhane Abou Ben Boogie é um sucessor para o seu anterior balanço Oriente Médio Symphony The Greatest Man in Siam . Ambos eram claramente derivado do colossal MGM de Tex Avery atingiu Red Hot Riding Hood . Genuina animação "sexy gal" é muito longe, mas é bom para testemunhar Natwick e Matthews "domínio do movimento feminino natural, sem a ajuda de rotoscope ou referência live-action para" Senhorita X "(cuja voz foi fornecida por rádio / cantora de boate Patricia Kay). O momento da 'garçom e Matthews' Don Williams ballet camelo jazzy também são brilhantes em sua execução.




Alguns trechos a respeito de mais detalhes sobre o curta, foram retirados do site Cartoonresearch.

https://vimeo.com/137510850 - Aqui o link para ver o episódio.



Andy Panda - The Painter and the Pointer (1944)

The Painter and the Pointer

Lançado em 18 de Dezembro de 1944, protagonizado pelo Andy Panda. Andy Panda é o pintor e seu cão Butch é o ponteiro e Andy está tentando pintar um retrato de Butch fazendo o que um cão caçador de pássaro faz... parado e apontando para um grupo de aves. Mas Butch não consegue ficar parado. A solução de Andy é fraudar uma arma para disparar se Butch mover um músculo. Butch resiste as todas as tentações de ele se mover, mas um par de aranhas (sim, aranhas!) saem da sua teia para jantar o cão. E acontece muita confusão.



O curta é bem violento, eu tenho pena do cão que infelizmente passa por uma boa confusão e quase leva um tiro por acidente no final. Imagina você prestes a morrer, e virar comida de uma dupla de pragas, realmente é bem pesado. Este foi um dos curtas mais violentos da fase anos 40 dos estúdios Lantz. A trilha dá o tom imponente as cenas.
 

Uma curiosidade: Há alguns anos atrás, por volta de 2007/2008 quando vi este curta pela primeira vez, fiquei surpreso pelo Andy Panda estar de um visual diferente, pesquisei e descobri que este panda é o primo do Andy Panda. Até hoje, não sei dizer se esse é o verdadeiro Andy Panda ou o primo dele. Não há dados históricos ou comprovados do porque o visual do Andy Panda ter sido mudado neste episódio.



A dublagem brasileira é sensacional. Da BKS, estúdio de dublagem responsável por dublar praticamente a década de 1940 inteira.



O curta daria um boa história nos quadrinhos. Aliás, nos anos 40 o Andy Panda era muito presente nos gibis do Walter Lantz.

Há uma certa semelhança na relação entre Andy Panda e Butch e Mickey e Pluto da Disney, talvez seja uma referência dada por Dick Lundy? Andy Panda seria o Mickey, papel claramente inspirado visto em seus episódios desde 1942 e Butch seria o Pluto, o cobaia e o alvo de seres minúsculos.

Matt Groening, criador dos Simpsons mencionou este desenho animado  em uma lista de "coisas que me assustaram quando criança".

Muitos especialistas em animação clássica disseram que essa versão do Andy não deu certo e no ano seguinte, 1945, o panda ficou mais simpático em Corvo Maluco.

O Sofisticado Pica-pau da Era 1944-1949

Resultado de imagem para woody woodpecker 1944

Olá universo! Estou aqui para falar sobre a minha fase do desenho Pica-pau favorita, a era 1944-1949. Esta fase se destaca pela quantidade de curtas elegantes e luxuosos, verdadeiras obras-primas da animação clássica. Nesta época, não havia ainda a quantidade de curtas por ano que havia no final dos anos 50 e início dos 60, quando estava no auge e era exibido na televisão americana. Deve ser pelo fato de que havia um cuidado muito maior em relação ao conjunto da obra do desenho.

Resultado de imagem para woody woodpecker 1945

No ano de 1944, somente três curtas do Pica-pau foram lançados. Em 1945, quatro. E em 1947, seis. Mas era assim mesmo, que era naquela época. O total de curtas lançados nesta era é de 23.
Resultado de imagem para woody woodpecker 1947

A equipe de animadores, de direção, mudou. E isso se deu meio que com a mudança radical do visual do Pica-pau em O Barbeiro de Sevilha, onde ele ficou mais magro, com menos pelugem e mais comportado, se for comparar com o Pica-pau Biruta de 1940-1943.

Shamus Culhame, diretor que ingressou nos estúdios Lantz em meados de 1943, aproveitou a mudança no design do Pica-pau para dar um tom mais sofisticado, um belo trabalho em que se dar o prazer de olhar, bem como até engraçado.


Resultado de imagem para woody woodpecker 1946

O seu toque ficou assim até 1946, quando a direção foi assumida por Dick Lundy, um dos criadores do Pato Donald, onde ele deu histórias onde o Pica-pau e o Donald podiam assumir tranquilamente. Isso entre 1947 e 1949.


terça-feira, 15 de novembro de 2016

O Blog do Pica-pau e outros Clássicos continua?


Pica-pau na Record, Sbt e Globo

Oi gente! Oi mundo! Oi planeta terra! Eu quero dizer com muito orgulho que este blog me fez muito feliz nos últimos dois anos! Não se assustem, não! Heheheh Isso não quer dizer que ele não me fez feliz neste 2016, claro que não.

Posso dizer que este foi um ano bem atípico na minha vida e acho, eu acho que na vida de boa parte das pessoas. Porque aconteceram muitas coisas, digamos, polêmicas e tristes. Claro que isso acontece todo ano da nossa vida, mas sinceramente, o que aconteceu de triste em 2015 e 2014 não me afetou, realmente. Mas com certeza afetou a vida de outras pessoas, então é de se entender. 

Mas é válido aceitar, a todos nós homens desse planeta, que temos entender a todos. E quero que vocês fiquem felizes com essa notícia, de verdade. O blog vai continuar em 2017, com toda a força, se Deus quiser, com maior organização e mais histórias, bastidores, curiosidades sobre os desenhos antigos, especialmente aqueles bem antigos mesmo, dos anos 30,40 e 50.

Vocês não tem ideia do quanto estou confiante! :)

Bom, é isso!

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Arquivos do Walter Lantz - Pica-pau Anos 60 e 70

Raridades, em formato de cels.


WL17woodyonbg.jpg

LantzCel_(32).jpg

LantzCel_(43).jpg

LantzCel_(56).jpg

Arquivos do Walter Lantz - Pica-pau

Só tenho a agradecer ao Planeta Terra, não é? E a magia que esse gigante globo nos dá, pois bem, hoje eu vou mostrar pra vocês, já em clima de Natal! Isso mesmo, 24 e 25 de dezembro já está chegando, eu estou ansioso, afinal estamos falando do Natal, e Natal é a coisa mais importante já feita pelos seres humanos não é?

Bom, então vamos lá, cels do curta Ski para Dois (1944) do Pica-pau da Universal:

Lantz-Cel-(26)-woody-skis.jpg

WL70oldwoody.jpg

Donald Duck - Donald's Crime (1945)

Eu geralmente gosto de filmes sombrios, escuros, ficção cientifica, detetives, heróis, femininos, romance, etc. Gosto de quase tudo né? Tem gente que gosta de tudo também. Tem gente que gosta de um só gênero e tal. 


Mas vou falar de um curta bem nebuloso lançado no ano de 1945. E o ano de 1945 nos desenhos da Disney foi marcante, justamente por dar uma outra visão ao Pato Donald e um outro clima ao seu redor, um clima de um pato trabalhador e apaixonado. 


Em Donald's Crime, Donald invade o cofrinho de seu sobrinho para pagar um encontro com Margarida, em seguida, ele tem que enfrentar a sua culpa.


Esse episódio é muito legal, assim como vários outros do Donald, que por sinal é meu personagem favorito da Disney.


Esse é um dos episódios mais românticos do personagem e destaco a cena do encontro de Margarida com ele, numa dança agitada e charmosa ao som de jazz. É realmente encantadora essa cena.



A direção é de Jack King, meu favorito do estúdio, ele traz um toque diferente pro desenho, mais escuro e mais charmoso. Aliás, ele trabalhou nos Looney Tunes no início da década de 1930.


Com surrealidade, sonhos e delírios, o Donald é um homem da noite em busca do sucesso social e de romance e se encontra com a Margarida.



Aliás, essa cena acima fez parte da abertura de "As Aventuras de Mickey e Donald", quando era exibida na Rede Globo. Atualmente, os desenhos clássicos da Disney são exibidos dentro do bloco Mundo Disney, em formato de menor duração, como 3 minutos por exemplo.


Donald Duck- Beach Picnic (1939)



Os curtas da Disney dos anos 30,40 e 50 mostram muito bem como era a vida naquela época, isso juntando aos detalhes da animação e do roteiro. Beach Picnic foi lançado nos teatros dos Estados Unidos em 09 de junho de 1939 e é um dos meus favoritos do ano de 1939, que considero muito importante para a era clássica.


O Pato Donald leva Pluto junto com ele para a praia para fazer um piquenique e haja comida! Mas lá eles arranjam muita confusão e são incomodados pelos arredores intrusos. Formigas são um exemplo.


Se passando num dia aparentemente com céu tranquilo e clima agradável, mas não com cara de verão, pois o pato está usando um traje bem formal hehehe. Há várias gags e piadas visuais que são muito legais de se ver. Ponto alto de todo desenho da época.

Percebe-se que o Pato Donald está com com o mesmo visual desde o ano de 1936 e que terminaria em meados de 1941. As mudanças são sutis, mas bem cabíveis pra aquela época. O Pluto também aparenta ser mais encorpado e com aspecto mais adulto.


O que mais gosto no curta são a riqueza de detalhes nas comidas, ou seja, dá água na boca. Aliás, tudo no curta é muito bonito de se olhar.


Não posso dizer qual é a minha parte favorita, porque o episódio inteiro é muito legal. Um dos melhores do quesito praia.

Várias referências do final dos anos 30 estão no curta, como o fato das formigas serem meio tribais, e a própria roupa do Donald. E o que não pode faltar no curta do Donald: ele se irritar!

sábado, 12 de novembro de 2016

Pica-pau - Uma Dama Muito Fina (1945)

Chew-Chew Baby

Olá! Este episódio foi lançado em 05 de fevereiro de 1945, e é um dos mais engraçados curtas. Tudo começa quando o Pica-pau é expulso da pensão do Leôncio, onde vivia numa grande mordomia. Mas ele não deixa caro e se disfarça de mulher, como vários personagens screwball da época.


Leôncio, acredita que é uma mulher de verdade e convida para um jantar. Nesse jantar ocorrem muitas confusões e muita violência. Bombas, dinamites e tudo mais. Pica-pau acaba se dando bem novamente e pega toda a comida do morsa.


Dirigido por Shamus Culhame que trouxe charme pro episódio, e os fundos bem elegantes e urbanos. Lembrando que o Pica-pau teve seus traços sutilmente mudados, quase não dá pra perceber, mas sim teve traços mudados. A música é do Darrell Calker.


Gosto muito deste episódio, mas gostava mais quando criança, quer dizer, não sei, mas sei que é um episódio muito bom, assim como vários do Pica-pau. 

Uma curiosidade, esse é o primeiro episódio em que ele se traveste de mulher. Com certeza teve como referência as loucuras do Pernalonga e Patolino.


A Atual Exibição do Pica-pau na Record



Tivemos a grata surpresa, nesses últimos meses de 2016 da volta do Pica-pau na Rede Record (rede de tv brasileira). Mas há um problema. A exibição foi elogiada pela volta da Turma do Pica-pau (Andy Panda, Picolino, Família Urso), mas estão reprisando demais os episódios do final dos anos 50 e início dos anos 60, num ciclo vicioso. Isso é um metódo meio  que incoerente, visto que o filme irá estrear em 2017. Mas tomare que a exibição seje normal e a emissora exibam os episódios na sequência certa.

The Beach Nut (Woody Woodpecker) - 1944

The Beach Nut

Boa noite pessoal, bom estou aqui para falar de um dos meus episódios favoritos do desenho Pica-pau, O Doido da Praia. Lançado em 16 de outubro de 1944, mostrava a luta e confusão entre o Pica-pau e o Leôncio (sua primeira aparição) em uma praia. O conflito leva a um cais de diversões onde Pica-pau se disfarça de yogi.




Uma multidão se reúne na praia para testemunhar a surra de Leôncio no Pica-pau. Leôncio, explica, em flashback, porque ele tentou se livrar do pássaro. Ele foi para a praia no seu dia de folga e infelizmente o detestável Pica-pau teve a mesma ideia de perturbar a paz do morsa.

Se você entende bem de animação, assim como eu, sabe que a direção, os fundos, a música, os traços são muito importantes e dão um tom único ao desenho. Ao longo das décadas, no desenho Pica-pau, existem eras diferentes, cada uma com suas respectivas características. E como naquela época havia uma gigantesca troca de animadores e diretores, essas características mudavam muito ao longo de apenas um ano.


A direção é do Shamus Culhame, que entrou no estúdio no final de 1943 e eliminou os traços coloridos e alegres presentes desde o início de 1942. Seu estilo é surreal, elegante e ao mesmo tempo simples, que não exige muito nos detalhes. Exemplo neste curta é que ele trouxe toda a elegância ao final de tarde em uma praia, misturando com um tom místico quando o Pica-pau se passa por um senhor da bola de cristal.

A música é do Darrell Calker, meu favorito da era clássica. Ele eliminou a música "boogie woogie" (música popular do início dos anos 40) e a trocou por uma música estilo "templo das emoções clássica", com violinos, e trilhas dignas de cinema.

Os fundos como já disse estavam mais simples. Mas característicos do diretor Shamus Culhame. Ele ficou no estúdio até o final de 1946, quando ele dirigiu o "Amigos Penosos".


O ano de 1944 do Pica-pau foi um ano musical, em todos os três curtas lançados neste ano, O Barbeiro de Servilha, O Doido da Praia e Ski para Dois o Pica-pau canta. Em "The Beach Nut", o Pica-pau canta My Bonnie Lies Over the Ocean. 

O enredo de O Doido da Praia é bem original e marcante. Eu já vi vários curtas de vários estúdios da época (Disney, Warner, Fleischer) e bem, considero "O Doido da Praia" bem original.


Todas as cenas desse episódio são bem incríveis, mas a minha favorita é a cena final quando o Leôncio (Wally Walrus) tenta jogar o pássaro pela corda no oceano, mas isso acaba destruindo toda a cidade praiana aos pedaços! E como não se esquecer da cena do Pica-pau disfarçado de yogi!

Curiosidade: Esse é o primeiro episódio que o Pica-pau tem os olhos azuis, e nele há a primeira aparição do morsa "Wally Walrus", Leôncio em português. Neste curta, o morsa antropomórfico era de cor escura. Dick Lundy, ex-empregado da Disney, um dos criadores do Pato Donald, teve seu primeiro crédito de tela exibido nos curtas do Walter Lantz, como animador principal.